Pular para o conteúdo principal

Professora é considerada obesa e é reprovada em concurso.

Bruna tem 28 anos, mede 1,65 m e pesa 110 quilos, com IMC de 40,4.
Ela foi considerada por perito de São Paulo como obesa mórbida.


A professora em sociologia Bruna Giorjiani de Arruda, de 28 anos, passou em segundo lugar no último concurso público da Secretaria de Educação do Estado, mas, por ser considerada obesa mórbida pelo médico perito que avaliou os exames, foi impedida de assumir o cargo de professora na Escola Genaro Domarco, em Mirassol (SP).

Bruna tem 110 quilos e mede 1,65 m. Há sete anos trabalha como professora substituta em escolas da rede estadual no interior de São Paulo. Ela é de São José do Rio Preto (SP) e diz que foi aprovada nos exames e pelo médico perito na cidade, mas reprovada pelo perito de São Paulo, que ela afirma nunca ter visto. “Eu fiz todos os 12 exames médicos exigidos para tomar posse do cargo e não tinha nenhum problema. O médico de Rio Preto aprovou e disse que não haveria problema, mas aí em São Paulo eles disseram que não estava apta a assumir o cargo por causa do meu peso”, afirma.

Bruna prestou o concurso para ser professora em novembro do ano passado e, em janeiro, saiu o resultado. Ela diz que no mês seguinte fez todos os exames médicos pedidos, como exame de sangue, urina, eletrocardiograma, laringoscopia, entre outros. A perícia em Rio Preto foi feita por uma clínica que presta serviço para o estado. “O médico fez perguntas sobre o meu histórico de saúde e depois me perguntou sobre o meu peso e altura. Não tinha balança no local. Eu respondi, poderia ter mentido, já que o médico em São Paulo nunca me viu”, diz a socióloga.

Com seu peso e a altura, Bruna tem o IMC, que é o Índice de Massa Corporal, de 40,4, o que é considerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como obesidade mórbida, já que o limite é de 40. Bruna confessa que nunca achou que seu peso seria problema para assumir o cargo. “Já trabalho na rede pública de ensino há sete anos como professora substituta. Como é contrato, todo ano nós fazemos exames médicos e uma prova, e nunca tive problema. Também leciono na rede particular e meu peso nunca foi problema. Nunca fui afastada por problema de saúde”, afirma Bruna.

Atualmente, ela leciona em uma escola estadual em Nova Aliança (SP) e, se não fosse este problema, já teria assumido o novo posto em Mirassol na semana passada.




Exame afirma que Bruna não é apta a assumir o posto (Foto: Reprodução)


A professora ficou sabendo que não poderia assumir pelo Diário Oficial. Ela chegou a ir até São Paulo para saber mais detalhes e ver o prontuário médico para ter mais informações do que poderia ter acontecido.

Bruna afirma que entrou em contato com a Secretaria de Gestão Pública e deverá fazer novamente os exames para uma junta médica avaliar. Caso esta segunda perícia não dê certo, ela afirma que acionará a Justiça. “Caso não dê certo vou entrar com um mandado de segurança, porque tenho direito a esta vaga, fiquei em segundo lugar no concurso e não havia nenhuma restrição sobre o peso da pessoa para assumir o cargo”, diz.

Bruna segura laudo que teve que buscar em
São Paulo (Foto: Marcos Lavezo / G1)


Casamento marcado?
Que tal inovar nos convites!


A socióloga afirma que nunca teve de pedir licença por algum problema de saúde relacionado à obesidade e que, por causa do peso, faz exames por conta própria todos os anos. “Me afastei uma semana apenas no ano passado por causa da morte de meu pai. Nunca passei por uma situação de discriminação tão grande assim”, afirma.

"É inconstitucional", diz OABSegundo a presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de Rio Preto, a constituição proíbe qualquer tipo de discriminação. “O caso é completamente inconstitucional. Obviamente existem algumas profissões que sejam necessárias as avaliações de aptidão física, mas, neste caso, a qualificação técnica e profissional é muito mais importante”, comentou a advogada Suzana Quintana, presidente da OAB de Rio Preto.

Ainda segundo a advogada, Bruna deveria entrar com um recurso. “Obviamente a obesidade é uma doença, mas isso não impede que ela trabalhe. Uma pessoa que tem diabetes está inapta então? Ela deveria ajuizar uma ação e ir até o fim em busca dos direitos dela”, explicou Suzana.

Em nota, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo diz ser totalmente contrário aos laudos de inaptidão por obesidade. "Na última reunião com o secretário da Educação questionamos todos casos dos professores que estão sendo considerados inaptos para ingresso, dentre eles os que foram considerados obesos, sendo que muitos, inclusive, já ministram aulas na rede. A SEE disse que não intervém nessa seara, pois o Departamento de Perícias Médicas do Estado (DPME) é órgão vinculado à Secretaria de Gestão Pública Pública. A APEOESP está solicitando reunião com a Gestão Pública para tratar dessa questão", afirma a presidente do sindicato, Maria Izabel Azevedo Noronha.

O sindicato também informou que ingressará com ação judicial para defender os direitos dos professores.

Outro ladoO Departamento de Perícias Médicas do Estado de São Paulo (DPME) enviou nota ao G1 sobre a perícia para o ingresso de novos funcionários no serviço público estadual, inclusive professores. Segundo o departamento, os critérios técnicos e científicos são previstos na legislação, em especial no Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado (Lei nº 10.261/1968 com nova redação dada pela LC 1.123/2010), e também normas legais estabelecidas pelo Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS).

"O exame pelo qual passam os candidatos é realizado por peritos selecionados e experientes e tem por objetivo avaliar não apenas a capacidade laboral no momento da perícia, mas sim fazer um prognóstico de sua vida funcional, de forma a ingressar numa carreira que dura, em média, 30 anos – o que não significa que ela não tenha condições de exercer sua profissão fora da esfera pública. O resultado não decorre de atitude preconceituosa e, sim, pela prerrogativa e princípio da continuidade no serviço público a qual prevê o Estatuto, em defesa o interesse público e o zelo pelo interesse coletivo", diz nota.

Ainda segundo a nota enviada, a obesidade, por si só, não é considerada fator impeditivo para o ingresso na carreira pública. Já no caso da obesidade mórbida (classificação OMS), faz-se necessária uma avaliação mais detalhada, dadas as doenças oportunistas, como o diabetes, por exemplo.

Com relação ao vínculo da professora com o Governo do Estado, segundo a Secretaria de Gestão Pública, Bruna alterou seu contrato de trabalho junto à Secretaria de Educação, migrando de uma contratação temporária para efetiva, por meio de concurso público. Conforme determinação legal, a contratação de um professor aprovado em concurso público está sujeita a um laudo de aptidão emitido pelo Departamento de Perícias Médicas do Estado (DPME). Já a contratação de docentes temporários, realizada com base na Lei Complementar 1.093, estabelece a necessidade de comprovação de boa saúde física e mental por meio de atestados expedidos por órgãos ou entidades integrantes do Sistema de Saúde.

"É preciso esclarecer, no entanto, que a todo candidato é garantido o direito a recurso para que eventuais erros ou injustiças sejam corrigidos. Primeiro, ao DPME, para ser submetido a nova junta médica para reavaliação da perícia. Depois, cabe ainda recurso ao Secretário de Gestão Pública, que irá decidir com apoio de outra equipe médica", explica e finaliza a nota.

Fonte: G1

Comentários

  1. Brasil, quanto mais 'desenvolvido' mais revela suas piores verdades. Que a professora Bruna não se abata por isso, vamos lá guerreira, procure por todo direito que tiver e os faça valer. Somos muito mais que um laudo redigito por alguém que não sabe uma vírgula sobre o que é o dia-a-dia de um gordinho.
    Vamos lá. Vc pode #eutambemposso

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

:: A moda pede coletes, saiba como usar o seu! ::

Olá meninas, uma das tendências deste inverno, são os coletes, pode-se dizer que seja um acessório, que vai dar aquele "tchan" na sua roupa, mas é claro, precisamos saber como combiná-los com certas roupas e principalmente com o nosso tipo físico, vamos lá?!

Não importa a época que se encontra, os coletes sempre vão bem ao look feminino, para dar uma realçada no visual e deixar personalizado. Mas cuidado na hora de escolher a cor e corte, por isso hoje daremos algumas dicas de como usar coletes.

 Há coletes para todos os gostos e estilos, podem ser usados com peças básicas como regatas e cores neutras, camisas e vestidos, porém o look colete e camisa são considerados por alguns estilistas como ultrapassado e antigo por seu caráter formal, a dica, portanto é combiná-los a blusas curtas e mais modernas.
Coletes jeans também estão em alta, invista em lavagens claras e soltas. Para as mais modernas que não tem medo de ousar invistam em coletes com tachinhas, ombros marcado…

Uxi Amarelo - redução de gorduras.

Pesquisa  avalia eficácia de  planta na redução de  gordura  no  fígado, no  AM. Uxi Amarelo se mostra eficaz na redução e até cura de doenças do fígado.
Estudo foi realizado em ratos obesos submetidos à ração experimental.
O Uxi Amarelo (Endopleura Uchi), planta da região amazônica, pode ser utilizada no tratamento da esteatose hepática, doença popularmente conhecida como gordura no fígado. A constatação foi apontada no estudo intitulado 'Indução da esteatose hepática com ração experimental e tratamento com Endopleura Uchi', realizado pela estudante do 8º período do curso de Medicina da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e bolsista do Programa de Apoio à Iniciação Científica da Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ), Natasha Valois Castelo.
Segundo ela, o estudo científico é pioneiro na área, porque visa melhorar um quadro onde não há tratamento medicamentoso eficiente, e enfatiza a importância da flora amazônica, por se tratar de uma pesquisa que usa uma planta da região qu…

: SENSACIONAL - DIETA DA BANANA! :

Gente, tá uma loucura o assunto da nova dieta da banana, várias pessoas confirmaram a perda de peso.

Receita que vem do Japão mata rapidamente a fome e regula o impulso de comer doces; confira as regras desta receita.
Talvez você já tenha ouvido falar que os japoneses desenvolveram uma dieta sem restrições alimentares que ajuda a emagrecer super rápido. É a dieta da banana matinal, que exige apenas que você coma a fruta, de preferência quatro delas, no café da manha, sempre acompanhada de dois copos de água morna ou chá.

Consumir a iguaria desta forma barra o impulso de comer ao longo do dia, afirma a VIVA MAIS!. O médico japonês Hitoshi Watanabe, especialista em medicina preventiva e idealizador da nova dieta, diz que além de matar rapidamente a fome, a banana carrega enzimas capazes de acelerar a digestão.

“Vale lembrar que ela também é rica em fibras que se ligam a moléculas de água e formam um tipo de gel que cria grande sensação de saciedade”, complementa a nutricionista e fitoterape…