segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Novidade plus size na tv, que vai te deixar de bom humor


Olá Meninas!!

É com muito entusiasmo e alegria, que venho avisar sobre a nova série do Discovery Home & Helth - Noivas Plus Size. (Curvy Brides)
Resultado de imagem para discovery home and health Curvy Brides
Yukia e Yuneisia

A série teve estréia hoje dia 21/11 ás 09:00 e 20:55 hs - com episódios todas as segundas feiras.
A série também passa no canal TLC mas ainda não consegui verifcar a programação.

Sinopse: A própria necessidade inspirou Yukia e Yuneisia a abrir uma loja de vestidos de noiva para mulheres acima do peso. Yukia faz uma sessão de fotos com um vestido que a torna a noiva que sempre quis ser.

O programa lhe dá dicas de modelos adequadas para cada tipo de corpo.
Não percam!!


sábado, 29 de outubro de 2016

Esqueça as pílulas anticoncepcionais : Conheça a alternativa masculina


Enquanto as mulheres podem escolher as formas de evitar uma gestação, os contraceptivos masculinos se restringem aos preservativos e à vasectomia. Mas, segundo um estudo publicado no "Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism", é possível desenvolver um anticoncepcional masculino injetável.

O contraceptivo foi desenvolvido e testado por um braço da Organização Mundial de Saúde e pela Faculdade de Medicina Oriental da Virginia, nos Estados Unidos. Um estudo de um ano foi realizado em dez centros em sete países, incluindo os EUA, Austrália, Indonésia, Chile, Alemanha e Índia.

Resultado de imagem para anticoncepcional masculino injetavel
Imagem - livrariaflorence


A pesquisa foi realizada com 320 homens com idades entre 18 e 45 anos, que estavam em relações monogâmicas por pelo menos um ano - e cujas parceiras concordaram em participar. A contagem de esperma dos homens foi verificada no início do estudo, para garantir que os índices estavam normais.

Eles receberam duas injeções de hormônios (progesterona e uma forma de testosterona) a cada oito semanas, e foram monitorados por até seis meses. Durante este tempo, os casais foram instruídos para usar os outros métodos de controle de natalidade não hormonais.

O fármaco suprimiu a produção de esperma até o ponto onde a gravidez é improvável, deixando a contagem de esperma em menos de um milhão. As injeções, segundo os especialistas, precisariam ser tomadas a cada dois meses para manter a eficácia.

Risco de depressão e distúrbio de humor
Os pesquisadores ainda estão a trabalhando para aperfeiçoar a combinação de contraceptivos hormonais e reduzir o risco de efeitos secundários como depressão e outros distúrbios de humor.

Os homens relataram outros efeitos colaterais, incluindo dor no local da injeção, dor muscular, aumento da libido e acne. Vinte homens abandonaram o estudo por conta dos efeitos.

Apesar dos efeitos adversos, mais de 75% dos participantes relataram estar dispostos a utilizar este método de contracepção.

Para o médico Mário Philip Reyes Festin, da Organização Mundial da Saúde, em Genebra, Suíça, e um dos responsáveis pela pesquisa, o método é eficaz, mas ainda precisa de mais estudos para encontrar o equilíbrio entre a eficácia e a segurança.

O que muda para nós mulheres?


Seja numa relação estável ou em sexo casual, a contracepção adequada garante mais tranquilidade e planejamento, sendo essencial para evitar mudanças de vida sem preparo. A contracepção ainda se concentra muito na responsabilidade da mulher e, aquelas que não podem ou preferem não utilizar a pílula, acabam mais susceptíveis à gravidez, já que todo método anticoncepcional é falho.

Sem alterar a estrutura e produção hormonal, o Vasalgel tem uma proposta bem mais segura biologicamente, além de ser mais prático, logo que seus efeitos são longos e não há a necessidade de uso diário, como o anticoncepcional oral.

Ainda em testes, mas com grande repercussão e boa aceitação principalmente entre as mulheres, o gel resulta em mais equilíbrio entre as responsabilidades de prevenção de gravidez, delegando ao homem maior participação e na escolha dos métodos.

Fonte: noticias bol e livraria florence

terça-feira, 30 de agosto de 2016

APP localiza cores de esmaltes baratos que substituem os importados

App 'Beleza de Farmácia' tem 50 comparações diferentes de esmaltes de marcas famosas como Chanel, YSL e Dior a marcas nacionais.

As mulheres que cuidam das unhas e não perdem um lançamento de cores das grifes famosas já podem comemorar - e economizar! Agora, vai ser possível encontrar cores similares nacionais as de marcas importadas com a ajuda do aplicativo "Beleza de Farmácia", que chega ao iOS e Android nesta sexta, 5. Se apaixonou por um lançamento de esmalte da Chanel que custa R$160? É só entrar no aplicativo que ele logo vai te dar, por exemplo, a opção de uma cor da linha da Colorama que custa R$ 3,50.


Lançado a partir do blog Beleza de Farmácia, o aplicativo homônimo promove a escolha inteligente de esmaltes similares aos de marcas como Chanel, Dior, Tom Ford, Christian Loubotin, Yves Saint Laurent. Ao todo, são mais de 50 esmaltes comparados com marcas nacionais e populares, facilmente encontradas em farmácias.

A ideia do aplicativo surgiu da publicitária e entusiasta da beleza, Maytê Carvalho - idealizadora do blog Beleza de Farmácia – em sociedade com o empreendedor serial Dennis Schwartz. “Ninguém precisa gastar uma fortuna para ficar bonita. Vivemos em um tempo de crise em que a busca pela economia nunca foi tão latente: relação custo-benefício e praticidade estão na ponta da língua. Não só da classe C, mas também das classes A e B, que buscam cada vez mais por escolhas inteligentes”, afirma Maytê. “Nós começaremos com esmaltes, mas até o final do ano catalogaremos batons, sombras e todo portfolio de maquiagem das marcas de prestígio e de massa”.



Aplicativo dá dicas de esmaltes similares  (Foto: Reprodução/Divulgação)
Aplicativo dá dicas de esmaltes similares (Foto: Reprodução/Divulgação)
Fonte: http://ego.globo.com

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Nike escolhe modelo plus size para nova campanha :)


A Nike acaba de dar um importante passo para a aceitação de mulheres curvilíneas em mais um segmento da moda. Há alguns dias a marca de sportwear surpreendeu seguidores no Instagram ao publicar fotos da modelo plus size Paloma Elsesser e da instrutora de ioga, Claire Fountain, para divulgar peças de uma nova coleção.

Com a novidade, a Nike que sempre elegeu modelos magras como suas garotas-propaganda, finalmente se deu conta de que a beleza não pode ser padronizada em um único tipo físico – nem mesmo no mundo esportivo. Além disso, a escolha de mulheres plus size para representar uma grife fitness ajuda a expandir a mensagem de que mulheres de todos os tamanhos podem – e devem – praticar atividades físicas.

A modelo Paloma Elsesser


“As pessoas ainda estão atreladas à ideia de que a imagem da saúde só pode ser representada por uma mulher magra. No entanto, como cada pessoa é diferente, assim também são os corpos. Não podemos classificar o que parece ser saudável”, disse Paloma em entrevista recente.

A resposta do público às fotos das novas garotas-propaganda da marca foi imediata e positiva. “Finalmente! Um top esportivo para todas as mulheres,” e “Uma verdadeira deusa bonita, poderosa e digna da marca Nike,” são apenas dois das centenas de comentários que inundaram a rede social da marca.

Fonte: http://www.olhardireto.com.br

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Bullying pelos próprios pais :(

Crianças chamadas de “gordinhas” pelos pais ganham mais peso

Mesmo quando os filhos estão com o peso normal, a percepção dos pais pode levá-los a engordar mais que as outras crianças.
Uma criança com sobrepeso dificilmente esquece como é ser gordinha, mesmo depois que se torna adulta. O estigma da obesidade já é sentido desde essa fase e cria um ciclo vicioso - com medo de ser julgada ou maltratada pelos colegas, a criança gorda passa a evitar atividades físicas em geral, o que coloca sua saúde em risco.
As tentativas de proteger o corpo e a mente dos mais cheinhos têm piorado a situação. A aposta de escolas nos EUA e no Reino Unido tem sido medir a altura e o peso da criança e informar os pais caso exista sobrepeso. Isso porque eles acreditam que os pais não percebem quando o peso do filho está acima do normal e não estabelecem uma alimentação regrada em casa.
Pesquisadores dos dois países testaram essa hipótese com 3.500 crianças de 4 anos. Ela estava metade certa: 80% dos pais de crianças acima do peso achavam que o Índice de Massa Corporal dos filhos estava normal. Mas outros 20% tinham plena noção de que os filhos estavam gordinhos e isso não foi de muita ajuda.
Imagem; edmontonjournal
O estudo acompanhou as crianças dos 4 aos 13 anos. Os participantes considerados gordos pelos pais ganharam mais peso nessa fase do que aqueles considerados normais. Segundo os autores, a relação era tiro e queda: todas as vezes que fizeram as medições ao longo desses nove anos, a percepção dos pais quanto ao corpo dos filhos previa um ganho de peso.
A associação não tinha nada a ver com o corpo dos participantes em si, os cientistas garantem. Isso porque alguns pais achavam que seus filhos estavam com sobrepeso quando seu IMC era totalmente normal. Ao longo dos anos, essas crianças também apresentaram ganho de peso, igualzinho àquelas que estavam realmente gordinhas.

Se o ganho de peso não é uma questão de tipo físico, os autores acreditam que as causas sejam psicológicas. Passar pelo estigma da obesidade durante essa fase de desenvolvimento, vendo o estereotipo negativo de ser gordo espalhado pela mídia, é um dos fatores de risco para desenvolver compulsões alimentares. A comida vira uma forma de consolo e a criança gordinha vira o adolescente obeso. Em vez de se traduzir em uma mudança positiva de hábitos, a percepção dos pais do sobrepeso dos filhos se torna uma profecia autorrealização.
Fonte: super.abril.com.br