quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Jovem resiste às comidas da mãe e elimina 18 kg!

Nohana, de 22 anos, mora em um sítio em Ubiratã com a família.
Para emagrecer, ela aprendeu a recusar pães e bolos feitos pela mãe
.

Para perder peso, geralmente é necessário abrir mão de vários prazeres da vida e fazer diversos sacrifícios. Para a jovem Nohana Talita Assmann, de 22 anos, a dificuldade foi aprender a dizer ‘não’ para as comidinhas feitas por sua mãe no sítio em que moram em Ubiratã, no interior do Paraná.

“Vivo num ambiente que não ajuda na minha dieta, mas sei me controlar”, avalia. A mãe, que costuma fazer bolos e pães, tem que mandar tudo embora junto com as visitas para não estragar. “Se ficar em casa, estraga mesmo porque eu não como”, diz Nohana determinada. Essa força de vontade foi essencial para ela sair dos 73 kg e atingir os 55 kg, 18 kg a menos.

A paranaense, que nunca teve problemas com o peso, começou a engordar quando saiu da casa dos pais e foi morar na zona urbana da cidade. “Saí de casa para trabalhar. Morei sozinha por 2 anos e sempre optava pelo mais fácil na alimentação”, lembra. Miojo, lanches e refrigerante eram as escolhas mais freqüentes na dieta de Nohana, que também não fazia atividade física.

Para ela, comer bem já não é mais uma obrigação, mas um hábito natural em sua vida (Foto: Arquivo pessoal)
Imagem Ilustrativa


Ao perceber que estava ganhando peso, ela resolveu procurar uma academia. “Já comecei minha mudança na cidade, inclusive na alimentação”, conta. Com 6 kg a menos, ela voltou para o sítio dos pais e foi lá que a perda de peso realmente aconteceu. “Moro em uma área bem rural, então quase não tem produtos industrializados, é tudo natural”, diz.

Para não parar de se exercitar, ela comprou os aparelhos da academia para colocar em casa e montou seu próprio local de treino. “Faço de 2 a 2 horas e meia de exercícios todo dia, de segunda a sexta”, conta. Acostumada com a nova rotina, ela diz que fica estressada nos dias que não consegue fazer atividade física. “Sinto muita falta”, afirma.

Nohana conta que a maior dificuldade foi fechar a boca e controlar a dieta. “Vou muito a almoços, aniversários e restaurantes, e era muito difícil”, lembra. Para se acostumar, ela foi cortando os alimentos aos poucos – primeiro foi o refrigerante, depois as massas. “Se não tivesse feito isso, não agüentaria cortar tudo de uma vez”, avalia. Para ela, hoje a dieta saudável não é mais uma obrigação, mas algo natural. “Estou acostumada”, diz.

Atualmente com 55 kg, ela se diz satisfeita com o resultado e lembra-se de todas as dificuldades pelas quais passou. “Uma cunhada me dizia que eu nunca voltaria ao meu peso, que eu podia dar minhas roupas. Desanimava muito ouvir aquilo, mas eu provei que consegui”, conclui. As calças tamanho 36 foram guardadas e, mais de um ano depois, voltaram a caber em Nohana. “Cheguei a usar 42 e 44 e hoje já voltei a usar tudo que usava antes”, diz.

Para ela, a maior lição foi aprender a se preocupar com a saúde. “Estava com o colesterol e a glicemia elevados quando tinha 73 kg e hoje não tenho mais”, conta. A jovem, que está noiva, pretende casar em maio deste ano e até lá ainda quer perder mais 5 kg. “Ainda quero chegar nos 50 kg. Está mais difícil, mas vou seguir firme e forte até o casamento”, finaliza.

Fonte: g1.globo

Um comentário:

  1. Nossa que motivação hein,estou aqui tentando perder 13kg e tem hora que é dificil,o pior horario é depois das 21:00hs,fico sozinha até 1:00hs da manhã a saio atacando as comidinhas,mas ja diminui bem a quantidade do ataque rsrs.Estava mesmo pensando em cortar o refrigerante agora decidi.Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir