Pular para o conteúdo principal

Qsymia - novo remédio para Obesidade


A FDA - agência americana que regulamenta fármacos e alimentos - aprovou anteontem a comercialização de um novo remédio para tratar a obesidade: o Qsymia, antigo Qnexa, da farmacêutica Vivus. Em menos de um mês, esta foi a segunda autorização que a FDA deu para drogas para emagrecer, depois de ficar 13 anos sem aprovar nenhum remédio com essa finalidade e de suspender a venda de outros por conta de efeitos colaterais.
Qsymia

 O Qsymia será indicado para adultos obesos com índice de massa corporal (IMC) acima de 30 ou para adultos com sobrepeso e IMC acima de 27, desde que tenham alguma comorbidade associada, como hipertensão, diabete tipo 2 ou colesterol elevado.

A droga é a mistura de dois outros medicamentos já existentes: a fentermina (derivado da anfetamina que funciona como supressor de apetite) e o topiramato (anticonvulsivante usado no tratamento de epilepsia e enxaquecas). No Brasil, os medicamentos para emagrecer derivados de anfetamina foram banidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no ano passado - restaram a sibutramina e o orlistate como alternativas oficiais aos pacientes.
Nos Estados Unidos, a droga custa cerca de US$ 6 cada pílula.

Dosagem

Segundo a FDA, a dose diária recomendada de Qsymia contém 7,5 miligramas de fentermina e 46 mg de topiramato. Também foi liberada a comercialização de uma dose mais elevada (15 mg de fentermina e 92 mg de topiramato) para pacientes selecionados.

Os resultados de dois ensaios clínicos mostram que, após um ano de tratamento com a dose diária recomendada e com a mais elevada de Qsymia, os pacientes tiveram uma perda de peso média de 6,7% e 8,9%, respectivamente. Na média, cerca de 69% dos pacientes perderam ao menos 5% do peso corporal com a dose recomendada, em comparação com 20% dos pacientes tratados com placebo.

Segundo Márcio Mancini, chefe do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas de São Paulo, esse resultado é a maior perda de peso já obtida com um medicamento registrado nos EUA. "É uma perda de peso muito considerável. A sibutramina alcança a perda de peso obtida com a dose menor dessa droga", diz.

Efeitos colaterais

De acordo com Mancini, os dois medicamentos já existem no mercado americano isoladamente, mas tinham muitos efeitos colaterais quando administrados sozinhos. Assim, a união das substâncias reduziu a dose a ser consumida e os efeitos colaterais teoricamente ficariam menores.

O risco de efeitos adversos graves, aliás, é um dos perigos do consumo do Qsymia sem orientação médica adequada. Segundo a FDA, o medicamento não deve ser usado por grávidas porque pode provocar má-formação fetal, em especial o aparecimento de lábio leporino. A recomendação da agência é de que a mulher faça um teste de gravidez antes de iniciar o uso desse medicamento. A droga também não deve ser usada em pacientes com glaucoma ou hipertiroidismo. Ela também pode aumentar a frequência cardíaca.


(PARA TER A LEGENDA TRADUZIDA CLIQUE NA PALAVRA CC E ESCOLHA TRANSCREVER AUDIO - OK - DEPOIS CLIQUE EM CC E ESCOLHA TRADUÇÃO DE LEGENDA E ESCOLHA O IDIOMA PORTUGUÊS) 


Rosana Radominski, presidente da Associação Brasileira para Estudo da Obesidade (Abeso), estima que de 10% a 20% dos pacientes devem apresentar algum efeito colateral previsto no uso da medicação, como boca seca, mudanças no paladar e alterações da frequência cardíaca.

Como os funcionários da Anvisa estão em greve, a agência não se pronunciou sobre essa aprovação. Mas, segundo Rosana, ainda não há previsão para que esse medicamento seja submetido à avaliação da Anvisa.

"Se a Anvisa olhar para essa medicação com olhos isentos de preconceito, já que ela tem um componente derivado da anfetamina, é possível que esse medicamento seja registrado no Brasil e vire mais uma arma no combate à obesidade", afirmou Mancini. 

Fonte: dgaabc.com.br
As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

:: A moda pede coletes, saiba como usar o seu! ::

Olá meninas, uma das tendências deste inverno, são os coletes, pode-se dizer que seja um acessório, que vai dar aquele "tchan" na sua roupa, mas é claro, precisamos saber como combiná-los com certas roupas e principalmente com o nosso tipo físico, vamos lá?!

Não importa a época que se encontra, os coletes sempre vão bem ao look feminino, para dar uma realçada no visual e deixar personalizado. Mas cuidado na hora de escolher a cor e corte, por isso hoje daremos algumas dicas de como usar coletes.

 Há coletes para todos os gostos e estilos, podem ser usados com peças básicas como regatas e cores neutras, camisas e vestidos, porém o look colete e camisa são considerados por alguns estilistas como ultrapassado e antigo por seu caráter formal, a dica, portanto é combiná-los a blusas curtas e mais modernas.
Coletes jeans também estão em alta, invista em lavagens claras e soltas. Para as mais modernas que não tem medo de ousar invistam em coletes com tachinhas, ombros marcado…

: SENSACIONAL - DIETA DA BANANA! :

Gente, tá uma loucura o assunto da nova dieta da banana, várias pessoas confirmaram a perda de peso.

Receita que vem do Japão mata rapidamente a fome e regula o impulso de comer doces; confira as regras desta receita.
Talvez você já tenha ouvido falar que os japoneses desenvolveram uma dieta sem restrições alimentares que ajuda a emagrecer super rápido. É a dieta da banana matinal, que exige apenas que você coma a fruta, de preferência quatro delas, no café da manha, sempre acompanhada de dois copos de água morna ou chá.

Consumir a iguaria desta forma barra o impulso de comer ao longo do dia, afirma a VIVA MAIS!. O médico japonês Hitoshi Watanabe, especialista em medicina preventiva e idealizador da nova dieta, diz que além de matar rapidamente a fome, a banana carrega enzimas capazes de acelerar a digestão.

“Vale lembrar que ela também é rica em fibras que se ligam a moléculas de água e formam um tipo de gel que cria grande sensação de saciedade”, complementa a nutricionista e fitoterape…

Uxi Amarelo - redução de gorduras.

Pesquisa  avalia eficácia de  planta na redução de  gordura  no  fígado, no  AM. Uxi Amarelo se mostra eficaz na redução e até cura de doenças do fígado.
Estudo foi realizado em ratos obesos submetidos à ração experimental.
O Uxi Amarelo (Endopleura Uchi), planta da região amazônica, pode ser utilizada no tratamento da esteatose hepática, doença popularmente conhecida como gordura no fígado. A constatação foi apontada no estudo intitulado 'Indução da esteatose hepática com ração experimental e tratamento com Endopleura Uchi', realizado pela estudante do 8º período do curso de Medicina da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e bolsista do Programa de Apoio à Iniciação Científica da Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ), Natasha Valois Castelo.
Segundo ela, o estudo científico é pioneiro na área, porque visa melhorar um quadro onde não há tratamento medicamentoso eficiente, e enfatiza a importância da flora amazônica, por se tratar de uma pesquisa que usa uma planta da região qu…